Projeto Papagaio Verdadeiro

Coordenadora: Gláucia Helena Fernandes Seixas, zootecnista, doutora em Ecologia e Conservação (UFMS)

Todos os anos, centenas de filhotes de papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva) são retirados de Mato Grosso do Sul para abastecer o comércio ilegal de animais de estimação, dentro e fora do Brasil. Importante indicador neste sentido são os mais de 4.000 papagaios apreendidos pelos órgãos de fiscalização desde 1988.

Tais números preocuparam ambientalistas e autoridades, que verificaram a necessidade de realização de um projeto de conservação da espécie, que passou a ser considerada o símbolo do tráfico de animais silvestres em MS. Em 1997, inicia-se o Projeto Papagaio Verdadeiro.

Idealizado e coordenado pela zootecnista Gláucia H. F Seixas, foi tema de sua especialização, mestrado e, atualmente, doutorado em Ecologia e Conservação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

O objetivo do projeto é conhecer a biologia e ecologia deste papagaio, para propor ações de conservação da espécie e ambiente onde vive. Também quer alertar as pessoas sobre danos à natureza ao se retirar filhotes e destruir o ambiente. Afinal, a retirada do papagaio-verdadeiro, sem nenhum critério, e a alteração do seu ambiente podem contribuir para a sua extinção.

O projeto Papagaio Verdadeiro atua em duas linhas:

• Pesquisa, com ações que visam identificar a situação da espécie na natureza, tais como as características dos ninhos, áreas de reprodução, crescimento dos filhotes, acompanhamento de filhotes após deixarem os ninhos, monitoramento dos filhotes de papagaios soltos;

• Contagem em dormitórios, para estimar a população e educação ambiental, com ações de divulgação para moradores e turistas das áreas onde o projeto é desenvolvido, objetivando estimular a reflexão, discussão e reavaliação de posturas frente à questão ambiental, a fim de fomentar ações compatíveis com a conservação da espécie e seu ambiente.

No Pantanal de Mato Grosso do Sul já foram coletadas informações sobre a sobrevivência de filhotes reintroduzidos, características dos ninhos e crescimento dos filhotes em vida livre. Atualmente, o projeto verifica o padrão de atividade diária e uso do habitat para reprodução, alimentação e dormitório, além de monitorar os filhotes dos papagaios soltos que nasceram em vida livre.

Todas as atividades incluem a participação de diversos profissionais, tais como biólogos, veterinários, zootecnistas, especialistas em geoprocessamento, estagiários de diversas áreas e auxiliares de campo. A divulgação é realizada em periódicos científicos, meios de comunicação de massa e eventos, com caráter informativo e educativo, visando a conscientização da população sobre os danos causados pela captura dos papagaios da natureza.

A execução do projeto conta com o apoio do Instituto Arara Azul, além de empresas (Parque das Aves – Foz Tropicana) e proprietários rurais (Refúgio Ecológico Caiman, Refúgio da Ilha Ecologia, Fazenda San Francisco, Fazenda Santo Antônio e Fazenda Novo Horizonte), numa composição que varia a cada ano. Também recebe doações financeiras de pessoas e instituições preocupadas com a preservação ambiental, assim como comercializa produtos com o tema papagaio (camisetas, cartões-postais, colares, anéis etc).

Para mais informações, entre em contato com Gláucia Seixas, pelo e-mail projetopapagaio@hotmail.com